Publicidade
Publicidade

Regulamentação trará mais estabilidade para executivos de futebol

Compartilhe este Post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Uma das situações que está sendo acompanhada pela Abex é o processo de regulamentação da profissão do executivo de futebol. Recentemente Comissão do Esporte da Câmara dos Deputados aprovou proposta que regulamenta a profissão de executivo de futebol, reservada ao profissional que concluir os cursos de Gestão de Futebol e de Formação de Executivos de Futebol, reconhecidos por entidades de administração regional e nacional do desporto.

O texto define executivo de futebol como qualquer profissional de futebol, remunerado e com dedicação exclusiva, que ocupe o cargo de diretor, executivo, diretor-executivo, superintendente, gerente, supervisor ou coordenador de futebol profissional ou amador, ou que desempenhe função equivalente. A atividade envolve remuneração pactuada em contrato especial de trabalho, firmado com entidade de prática desportiva. “Essa é a nossa luta porque a regulamentação nos trará um maior respaldo em todos os sentidos. Estamos acompanhando atentamente a essa questão e confiantes de que a regulamentação será mais um passo na evolução do futebol”, disse Marcus Vinícius Beck, presidente da Associação Brasileira dos Executivos de Futebol (ABEX).

Beck reitera a importância da função do executivo nos departamentos de futebol das agremiações. “Seja de grande, médio ou pequeno porte, o clube hoje não pode ter mais uma gestão avulsa. Precisa ser fundamentada por planejamento estratégico e com os conhecimentos que possui, o executivo ele vai trabalhar na gestão de departamentos, contratar reforços, planejar e administrar o orçamento, eles substituíram a velha figura dos cartolas e ajudam a consolidar o crescimento dessa função”, explica Beck.

Quem preside clubes garante que fazer futebol hoje em dia sem executivos é praticamente impensável. “Ter um executivo é fundamental, porque traz a visão profissional de quem centraliza vários elementos, como a gestão de projetos, negociações de atletas, fisiologia, ambiente do elenco, entre outros. É fundamental ter alguém para orquestrar tudo isso”, disse o dirigente.  “A regulamentação além de trazer a estabilidade para os profissionais será a ‘alavanca’ para a criação de novos cursos e consequentemente  acontecerá expansão profissional em todos os sentidos”, complementou.

Por Cristiano Alves com informações de Miro Nascimento

Foto – Agência Câmara

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *