Publicidade

Justiça bloqueia contas bancárias de Galvão Bueno e família

Compartilhe este Post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Galvão Bueno teve suas contas bloqueadas judicialmente, depois de reconhecer um débito de mais de R$ 1,3 milhão junto a um credor, que foi homologado pela Justiça. O narrador da Globo foi avalista na aquisição de um crédito em nome de sua empresa, a Virtual Promoções Participações.

 O pedido de bloqueio das contas bancárias de Galvão foi deferido pelo juiz Rodrigo Galvão Medina, da 9ª Vara Civil de São Paulo, após a não realização do pagamento de duas parcelas junto à empresa Leste Credit (Fundo de Investimento), que foram acordadas previamente entre as partes envolvidas com um desconto de cerca de R$ 421 mil.

O credor então pediu à Justiça a penhora de valores das contas do apresentador esportivo e de seus familiares, que também assinaram como avalistas na aquisição do crédito. A solicitação do bloqueio foi necessária para garantir o pagamento do débito, cujo valor em aberto estaria em cerca de R$ 760 mil. Foram encontrados nas contas de Galvão cerca de R$ 1,4 mil, valor já bloqueado.

Já em nome de Desirée, mulher dele, foram bloqueados cerca de R$ 90 mil. Houve, também um bloqueio de R$ 26 encontrados nas contas da empresa Virtual Promoções e Participações Eireli e ainda foram encontrados R$ 4,3 mil nas contas em nome da filha de Galvão, Letícia.

Segundo consta no processo, que teve início em junho, Galvão realizou o pagamento da expressiva quantia de R$ 600 mil, contudo, para quitar a dívida ainda faltavam outras duas parcelas de pouco mais de R$ 120 mil, que não foram pagas nas datas combinadas no acordo.

 Por conta disso, o credor retomou a cobrança judicial no valor integral da dívida confessada (R$ 1,3 milhão) e com todos os acréscimos legais e contratuais. O valor original do empréstimo era de R$ 1,6 milhão.

Os advogados de Galvão informaram à Justiça que há uma abusividade dos valores cobrados, pretendendo assim prosseguir com a ação em trâmite – embargos à execução – discutindo, inclusive, a legalidade da cobrança e requerendo uma prova pericial contábil.

O credor, por sua vez, discorda da medida, já que o acordo descumprido por Galvão e homologado pela Justiça teria cláusula de renúncia destes embargos à execução. Agora, os advogados de Galvão e de sua mulher tentam desbloquear todos os valores, inclusive os R$ 90 mil que, de acordo com o alegado nos autos processuais, seriam de natureza salarial e alimentar, sendo recebidos por prestação de serviços e, por esta razão, seriam impenhoráveis.

Fonte: O Dia /foto: Reprodução/TV Globo

Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.