Publicidade

Daniella Coutinho vive nova fase na arbitragem

Compartilhe este Post

Com quase 20 de carreira a árbitra feirense Daniella Coutinho já escreveu uma página na história do esporte baiano, inclusive chegando ao ponto máximo que foi integrar o quadro de árbitros da FIFA. Porém nos últimos anos, ela resolveu mudar a função e trabalhar como assistente, um recomeço de carreira, que agora já começam a aparecer os frutos e novos objetivos passam a ser estabelecidos.

A paixão pela arbitragem vem de criança, quando Daniella acompanhava o pai, Almir Pinto,  que era árbitro, nas partidas de futebol e desde então ela decidiu que seria esse o seu caminho no esporte. “Falei isso para meu pai, que conversou bastante comigo e no final perguntou ‘é isso que você quer?’, eu respondi que sim e ele me deu o maior apoio, porém me alertou sobre as possíveis dificuldades. Encarei e fui a luta”, lembra.

Aos 17 anos, Daniella começava então a sua caminhada na arbitragem, integrando o quadro da Liga Feirense de Desportos e dois anos depois veio a chance de se tornar árbitra da Federação Bahiana de Futebol. “Não foi fácil porque o preconceito era evidente até mesmo dentro da Liga. Alguns colegas apostavam que não chegaria a lugar nenhum, mas sempre procurei me manter tranquila e focada no que eu queria”, declarou.

O teste de fogo veio em 2006, quando estava escalada para trabalhar como reserva num jogo entre São Gonçalo dos Campos e São Francisco do Conde pelo Campeonato Intermunicipal e acabou assumindo o apito já que o árbitro que estava escalado para a partida ficou impossibilitado de ir ao jogo. “Assumi a responsabilidade de apitar, sob protestos dos dirigentes das ligas. Ligaram para o Wilson Paím (diretor de arbitragem)  e protestaram ‘mas Paím ela é uma menina! Não tem condição’. Ele bateu o pé e fiz o jogo e daí não parei mais”, lembra.

Desde então ela não parou mais, tanto como árbitro reserva, como assistente e central ela continuou fazendo diversos jogos tanto de campeonatos de base, como Intermunicipal. Até 2014, ela atuou como árbitra central e também obteve destaque nacional, o que a fez chegar ao seleto quadro da FIFA.

REALIZAND O SONHO

Daniella desde o segundo semestre de 2014 atua como assistente

Depois de integrar o quadro da Fifa, Daniela resolveu no segundo semestre de 2014, deixar o apito para trabalhar como assistente e praticamente começou do zero na arbitragem. “Não foi uma decisão muito fácil porque eu estava muito bem e levei um bom tempo para resolver. O dinamismo dentro da área é grande e a decisão tinha que ser certeira para que não houvesse arrependimento futuro. Não é que ser central não fosse bom. É maravilhoso, mas ser arbitra-assistente era a realização de um sonho para mim e agora estou correndo atrás disso e graças a Deus já estou começando a colher os frutos”, disse.

Um exemplo disso foi no Campeonato Baiano deste ano, quando Daniela foi escalada para trabalhar no seu primeiro BaVi. “Foi engraçado porque, sabe quando você não está esperando alguma coisa acontecer? Foi assim comigo: a escala saiu e de repente comecei a receber nas redes socais mensagens de ‘parabéns pela escala’. Agradeci, mas até então estava achando que era um jogo qualquer. Quando fui verificar e vi que era o BaVi, caramba eu fui muito feliz”, declarou. “Na hora eu liguei para o Jailson (Macedo de Freitas – presidente da Comissão Estadual de Arbitragem) e perguntei ‘é verdade?’ e ele me disse ‘parabéns, menina você merece’. Foi uma sensação indescritível. O coração respondeu aceleradamente, eu olhei a escala uma dez vezes para acreditar, e logo em seguida passou um filme na cabeça. Me remete as lembranças de tudo que passei até chegar aqui, assim como vem aquele sentimento bom, que confirma a ideia de que eu tinha mesmo de estar no caminho certo”, complementa.   

Como assistente, Daniela Coutinho trilha um novo caminho e aos poucos está alcançando os seus objetivos. “Depois de recomeçar, agora como assistente, eu passei por todo o processo de adaptação, até começar de novo nos jogos. No ano passado já voltei ao circuito de competições nacionais trabalhando no Campeonato Brasileiro da Série D, Série C e na Série B. Meu objetivo agora é chegar a trabalhar na Série A”, diz

Por Cristiano Alves

Fotos – Divulgação

Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.