Publicidade

Guto tem experiência na Série B como trunfo para conseguir acesso com o Bahia

Compartilhe este Post

No dia 13 de dezembro do ano passado, mesmo rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro, o Bahia anunciou a manutenção de Guto Ferreira no cargo de treinador. O plano era ter à frente do futebol um profissional com experiência na competição nacional. E Guto, como todos sabem, já teve êxito com o próprio Tricolor na Segundona, em 2016.

Ele também já conduziu Ponte Preta (2014) e Sport (2019) à Primeira Divisão. Em 2017, o técnico participou da maior parte da campanha do Internacional na Série B, mas deixou o clube pouco antes de o retorno à elite ser confirmado.

Em entrevista exibida pelo Globo Esporte nesta segunda-feira, Guto Ferreira destacou a experiência na Série B e avaliou alguns pontos que podem ajudar o Bahia a ter um bom desempenho na edição deste ano.

– Acho que todas as competições, e eu já participei de muitas, estou indo para a sexta, foram quatro acessos e uma situação. A primeira em que eu estive por dois meses e meio, no Criciúma em 2011, quando eu estava retomando minha carreira. Em todas elas, a Série B tinha uma característica que era extremamente intensa no aspecto físico, jogo de força, jogo onde todos têm condição de tudo, diferente da Série A, onde poucos jogam fechado, todo mundo quer jogar. Na Série B, a estratégia é, muitas vezes, não deixar o adversário jogar. E mais do que nunca, nós precisamos ter um grupo com um plantel. As logísticas decidem a Série B. Bom planejamento de viagem, descanso, treinamento e, a partir da montagem da equipe, de características que a gente está buscando, para a gente poder chegar na competição e falar que nós estamos com a equipe equilibrada. E aí, depois, é a união de torcida e equipe. Que o mental decide muito – avaliou Guto.

Tem muito torcedor que já começou a fazer as contas para uma possível arrancada, mas Guto prefere manter os pés no chão e pensar “jogo a jogo”.

– Eu trabalho sempre jogo a jogo. Acho que a questão das metas, fica muito vago e muito flexível, muito solto. Se você consegue cumprir, beleza. Você pode entrar numa zona de conforto, porque os próximos você vai ter para errar. E, se você não cumprir, dá o desespero, porque você tem que cumprir a mais. Então vamos jogo a jogo. Jogo a jogo, você foca naqueles três pontos. Você conseguiu? É isso que a gente quer. Você não conseguiu? Tem que voltar com a motivação, com o mental ainda mais positivo para a próxima, porque você já descartou aquele que você perdeu, não volta mais. É isso que vai te conduzir lá para cima – completou.

Fonte – Globo Esporte

 Foto: Reprodução

Publicidade
Publicidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.